Imagem

Imagem
(Crédito da foto: www.santoscity.com.br)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Caminhada para cegos é "ESPORTE RADICAL" - no mau sentido, infelizmente!!!!

Por: Débora Rossini

Se você é cego ou com baixa visão , entende perfeitamente qual é o "drama" na hora de sair caminhando por aí, não é mesmo? Risco de "trombar" em postes, em orelhões, em outras pessoas (e ainda ser xingado injustamente)... risco de ser atropelado... enfim, locomover-se na rua - seja por necessidade ou por um simples desejo de dar um "rolê" por aí, já que ninguém é de ferro- torna-se uma verdadeira "aventura", infelizmente. :-( Bengala-longa não resolve tudo... e cão-guia é para poucos!

Para as pessoas de visão normal (e funções locomotoras normais, claro!), a caminhada pode ser classificada como "leve atividade física". Mas, para a galera com deficiência visual , a caminhada é um verdadeiro "esporte radical"!!! Afff!!!! O negócio foi mencionado com um toque de humor aqui, para tentar atenuar o desconforto psicológico de quem enfrenta essa "barra" todo dia... mas a coisa é bastante séria, galera!!!! Muito sério mesmo. Mesmo que o indivíduo com potência visual escassa ou nula tenha extrema capacidade de atenção e concentração, tenha excelente capacidade de discriminação auditiva e de orientação espacial, tenha conhecimento enorme da rota percorrida, e seja um "expert" na habilidade de utilizar a bengala-longa... ainda assim, está sujeito a riscos em seu percurso. Do jeito que o trânsito está hoje em dia (intenso tanto em fluxo de veículos quanto em falta de educação e/ou de atenção de boa parte dos condutores dos mesmos), mesmo um cego experiente corre risco de ser atropelado, e... infelizmente, "partir" para sempre. No blog do Beto Pereira, recentemente, foi postada uma triste notícia que comprova isto. Veja: http://www.betopereira.com.br/2011/12/adeus-ao-amigo-giovani-machado.html

Com perda de vidas humanas, não se brinca nem um pouco. O que se tem a fazer, agora, é desejar todas as energias positivas para a família do Giovanni Machado, para que ela se conforte e supere a perda do ente querido. E, entre outras coisas igualmente muito importantes a serem feitas - para que isto não se repita com outros deficientes visuais- está a educação para o trânsito (principalmente dos motoristas , digamos, "apressadinhos" ou desatentos). Além disso, a melhoria da sinalização - principalmente a adaptada para deficientes visuais- em diversos pontos das nossas cidades (principalmente os mais perigosos!) iria ser de grande valia. (Se você, leitor do "Sopa", tem mais alguma sugestão interessante, escreva em nossa Seção de Comentários. Agradece-se desde já a sua contribuição para melhorar a qualidade de vida da turma que tem a visão comprometida!).

Além dos perigos mencionados acima, ocorrem contratempos constantes no percurso do pedestre cego: é a calçada que tá esburacada... é uma outra pessoa (ou grupo de pessoas) que não dá licença pro cego passar (e ainda xingam o cego, como se ele estivesse "atrapalhando" o caminho!)... etc. Para pessoa com baixa visão é ainda pior, uma vez que nem sempre dá para um vidente detectar , de cara, que ela tem a visão pouco potente; assim sendo, não raro ocorre de o deficiente visual inadvertidamente trombar com uma pessoa ou objeto, e ouvir a famosa frase: "NÃO OLHA POR ONDE ANDA???" (Aff.! Dá vontade de responder, "na lata": "-Bem que eu gostaria, né?"). >:-(

Horas depois de ter ficado bastante chateada com a supracitada nota de falecimento dada no blog do Beto Pereira, tive, finalmente, um momento de esperança - que, certamente, será extensivo a toda a galera que possui potência visual fraca ou nula. Um leitor do "Sopa" me mostrou um vídeo bem legal- trata-se de uma reportagem exibida no Jornal Nacional do dia 27/12/2011. Ela mostra um grupo de estudantes de Engenharia Elétrica, em Minas Gerais, que está desenvolvendo um protótipo de sinalizador para que os deficientes visuais andem com mais segurança nas ruas, ao atravessá-las. O pequeno dispositivo fica no braço do usuário - e,através de vibração sincronizada com a sinalização do semáforo, ele indica se o sinal está verde ou vermelho. Olha que legal: a tecnologia assistiva mencionada funciona por VIBRAÇÃO- que, somada à percepção auditiva aguçada de um cego, proporciona-lhe mais segurança para fazer a travessia na rua. Assim sendo, o usuário pode contar com mais um estímulo sensorial além da audição - o que, aliás, garante segurança ao cego mesmo em ambientes muito barulhentos! UAU!!! :-D

"-Obaaaa!!!! Finalmente uma notícia legal no noticiário, pra fechar 2011!"- certamente você está pensando.
Tá curioso? Clique no link para ver o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=ufdP0uTUcB8

Agora é torcer para que o produto desenvolvido pelos universitários mineiros consiga chegar ao mercado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário