Imagem

Imagem
(Crédito da foto: www.santoscity.com.br)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

"Ouviu falar?"

Por: Débora Rossini

Navegando na internet, dei de cara com um site muito legal, cujo nome é o título deste post!

Ele traz muitas dicas e informações interessantes sobre audição e fala - úteis tanto para quem possui problemas de audição e/ou fala, quanto para quem não tem nada disso - mas que deseja se manter informado a respeito!

Uma postagem bem interessante é intitulada "Os aparelhos auditivos substituem a audição natural?" . De acordo com o texto ( e com depoimentos de pessoas que usam aparelhos de amplificação sonora individual, lidos e ouvidos pela "Sopeira" que pilota o teclado aqui no blog) a resposta é NÃO. Tais maravilhas tecnológicas, de fato, melhoram bastante a qualidade de vida de quem escuta mal, mas não reproduzem exatamente o mecanismo da audição natural.

"-Nossa!!!! Então, como é que o pessoal com audição pouco potente procede para melhorar sua qualidade de vida, diante disso tudo?" - se você não pertence a esta turma, certamente está se indagando, curioso.

Oras, felizmente o ser humano tem uma incrível capacidade de adaptação, não é verdade? O usuário de tais apetrechos necessita desenvolver mecanismos e estratégias para conseguir beneficiar-se da amplificação de som que é proporcionada, tais como: complementação da percepção auditiva com a visual; aprender de que lado vem um som; etc. Com orientação fonoaudiológica, dá para tirar bastante proveito do aparelho auditivo!!!

Quer saber mais detalhes? Confira:
http://www.ouviufalar.com.br/audicao/os-aparelhos-auditivos-substituem-a-audicao-natural/

Só uma observação aqui: é claro que, mesmo com o aparelho e com o treinamento auditivo proporcionado pelas "fonos", são indispensáveis certas atitudes inclusivas com a pessoa que não ouve bem - pois, de todo jeito, ela vai ter alguma dificuldade em discriminar os sons... Assim sendo, há diversas pessoas que se queixam de dificuldades para falar ao telefone... ou para conversar em ambientes ruidosos... ou para manter um diálogo quando o interlocutor não está de frente para ela... em maior ou menor intensidade, esse tipo de dificuldade vai existir!

"E aí?" - você deve estar se perguntando. - "Como então, facilitar a vida dessa galera que não ouve bem?"

Os próprios membros dessa turma explicam para você, rerreré! Há blogs como "Crônicas da Surdez", "Escreve, que escuto!", "Desculpe, não ouvi", "Somos Todos Igualmente Diferentes" (dentre outros), que são escritos por pessoas com deficiência auditiva. Os dois primeiros blogs mencionados são escritos por usuários do aparelho auditivo comum (Paula Pfeifer e Rodrigo Nunes , respectivamente), e os dois últimos, por usuárias do Implante Coclear (Lak Lobato e Diéfani Piovezan, respectivamente). Nesses blogs, você poderá ver o que seus respectivos autores , a partir de suas experiências, abordam acerca desse assunto! ;-)

Boa leitura!

3 comentários:

  1. o fato é que nestes casos especificamente existe um preconceito muito grande. Não falo unicamente da pessoa que possuí a deficiência, falo de um preconceito com o próprio uso do aparelho.
    Digo isso porque a minha avó, que é um pouquinhoooooooooo surda, usava um aparelho, e nós da família percebemos uma pequena melhora. Ela, de um dia pro outro parou de usar. O fato de a pessoa usar um aparelho já da para ela, uma ideia de limitação, de deficiência. Complicado isso...
    Sobre tecnologias que ajudam pessoas com deficiência a levar uma vida normal, eu escrevi sobre o CAPE no meu blog, segue a postagem:
    http://inclusaoecia.blogspot.com/2011/10/visita-ao-cape.html

    ResponderExcluir
  2. Faz sentido, Raphael! Aliás, não só com usuários de aparelhos auditivos isso acontece - mas sim com diversas pessoas que possuem qualquer tipo de deficiência, que requer a utilização de equipamentos auxiliares que têm a finalidade de proporcionar-lhes melhor qualidade de vida. Ou seja: aparelhos de surdez, órteses, próteses, bengala de cego, cadeira de rodas... Assim sendo, diversas pessoas com deficiências deixam de dar um "turbo" no desempenho das atividades cotidianas por pura inibição de utilizar as tecnologias e equipamentos assistivos.

    Na verdade, não é tão difícil entender o que se passa na mente de alguém que enquadra nesse grupo: oras, afinal de contas, não é a deficiência em si que causa vergonha em quem a tem- mas sim a reação das pessoas ao redor (que, infelizmente, é de discriminação ou de outras atitudes que magoam). Daí o fato de tentarem ocultar o "sinalizador" de deficiência - que, no exemplo que você citou, é o aparelho auditivo.

    A Paula Pfeifer, autora do blog "Crônicas da Surdez" e também usuária de aparelhos auditivos (desses comuns), escreveu, certa vez, uma postagem abordando justamente esta questão! Dê uma olhada: http://cronicasdasurdez.com/vergonha-da-propria-deficiencia/

    A ideia da Paula é de incentivar as outras pessoas (que assim como ela, têm de usar aparelhos) a perderem a inibição de fazerem uso de tecnologias que foram feitas justamente para promover a acessibilidade de alguém que tem deficiência e incluí-la na sociedade, em vez de segregá-la! ;-)

    Quanto à sua postagem sobre o CAPE, em seu blog, ficou bem legal! :-) Olha a seção de comentários lá... o "Sopa" já marcou presença ali! :-)
    Abração!!!!

    ResponderExcluir
  3. Raphael, o blog "Crônicas da Surdez" publicou também esta postagem aqui: "Por que esconder seus aparelhos auditivos? Mostre-os!". Ela pode ser acessada em

    http://cronicasdasurdez.com/porque-esconder-seus-aparelhos-auditivos-mostre-os/

    Muito legal - já que foi escrito por uma pessoa que usa tal apetrecho...! :-) Boa leitura! :-)

    ResponderExcluir